09 novembro, 2011

Lassidão



Silente, expectante,
o devir espreita na dobra do tempo,
que se arrasta
o espaço se curva às vontades várias
A tarde enrosca uma hora após outra
rumo ao melhor da existência,
próximo à noite.
no destino das querências

Um comentário:

  1. Colho o mais dourado raio, me embrenho na lassidão de teus versos e confesso o dia fica sem sombras, fica mais poético.

    Um beijo, meu amigo, boa tarde.

    Carmen Vidráguas!!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário no post. Seu retorno ajuda a melhorar a qualidade do meu trabalho.
Se você não é inscrito no blogger, clique em anônimo e deixe um nome ou endereço para contato.

Twitter Updates

    follow me on Twitter