16 dezembro, 2008

Desamor, sem razão necessária

Sem nada a dizer
Algo quisesse eu
seria de amor
vibrando músculos
nervos, todo corpo
todo eu. Inteiro eu
Se nada há a dizeré

que mais nada há,
nem a lembrar, nem dor
Se nada mais nos dizemos

Nem me falas que me amas
Não há mais o que fazer
É finda a chama

Desfeita a paixão
Denecessária mesma a razão.

Um comentário:

  1. Este poema está no blog du cana. Lindo texto.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário no post. Seu retorno ajuda a melhorar a qualidade do meu trabalho.
Se você não é inscrito no blogger, clique em anônimo e deixe um nome ou endereço para contato.

Twitter Updates

    follow me on Twitter