06 janeiro, 2008

Devaneio



Sonho eu ouvir as palavras tuas
uma espera à chinesa escancarada
pingo a pingo a gotejar latentes
eu à míngua de ti à intermitência
sufoco com tanta espera e demência
é angústia o nome da coisa crua
sei que vens, tens vindo sei, mas
de que modo vens, quase indo.

Eu cada vez mais enlouquecido,
me agito, rolo, desviro, reviro
e até grito, têm-me por varrido
eu apenas varado por cupido

(ai!)

Nem acredito que creio nisso
que escrevi isso, de flechado
ter sido. Piegas, amor bandido.

Sim, fi-lo, é tolo como carta
de apaixonado à amada louca
Banido de teus sonhos me sinto,
Demasia só, só demais...

- Garçom, a conta!


Vou-me embora passear no cais
ver navios, dar miolo de pão
a peixes fritos, dar milho a pombos
que há muito voaram, velas içadas
âncoras, amarras, arrimos arriados
por anjos caídos em desterro

- c'os diabos! Vocifero.

Era para ser ser de luz, fera não!

O verso apodrece, a palavra no ar
não propaga, morre ao pé dos ouvidos
teus, que estás por certo a cabeça
nos astros a escutar cochichos
sem ecos de mim, um grão vazio
na areia escaldante a queimar-te
os pés. Quando acordar disso,
devaneio, por certo sonharei contigo,
pois assim tem-me acontecido.

Um comentário:

  1. De fazer inveja, de tão lindo este poema. Singrando. Abraço, Meriam

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário no post. Seu retorno ajuda a melhorar a qualidade do meu trabalho.
Se você não é inscrito no blogger, clique em anônimo e deixe um nome ou endereço para contato.

Twitter Updates

    follow me on Twitter